domingo, 27 de fevereiro de 2011

E se a sorte não existir?

Encontrei meu vizinho na padaria e ele me disse, um pouco assustado, que precisará se submeter a uma cirurgia. Depois de alguns minutos de conversa, me despedi com uma frase previsível: Boa sorte! No mesmo dia, uma prima me ligou para contar que está às vésperas do vestibular e com expectativa de alcançar a tão esperada aprovação. Ao fim da conversa, não pensei duas vezes e disse: Boa sorte!

Penso que os votos de "boa sorte" são, na verdade, uma maneira de dizer à pessoa que torcemos por ela, que acreditamos no seu potencial e esperamos que ela consiga cruzar a linha de chegada e tornar-se um ser humano vitorioso. Quando dizemos "boa sorte" reafirmamos o otimismo e permitimos que uma energia do bem circule entre nós.

Mas palavras não bastam. Posso pichar os muros, distribuir panfletos e ligar milhões de vezes para expressar meus votos de "boa sorte" à minha prima vestibulanda. De que valerão todas essas demonstrações se o estudo não fizer parte da sua rotina, se seus livros estiverem fechados e empoeirados, se ela estiver apenas contando com a sorte?

Sabe aquela história de 1% inspiração e 99% transpiração? Esse cálculo é bem simples, mas explica muita coisa. Enfim, estou cada vez mais convencida de que a sorte é um vento fresco, que traz consigo momentos felizes e nos dá disposição para continuar a luta. Mas para ter sorte é preciso perseverar, sempre, sempre.

sábado, 8 de janeiro de 2011

Instrumentos de brinquedo, música de verdade!


O cd Música de brinquedo, da banda mineira Pato Fu, tem marcado presença no meu iPod. Acho que esse álbum foi uma das surpresas de 2010 e chamou a minha atenção pela criatividade. Enfim, a galera do Pato Fu resolveu soltar seu lado criança e gravou doze faixas usando instrumentos musicais de brinquedo. Isso mesmo! E o resultado foi ótimo.


Para gravar versões tão originais de 12 clássicos, a banda não se limitou a utilizar apenas instrumentos de brinquedo. Eles também levaram crianças para o estúdio e deixaram que elas soltassem a voz. Entre as músicas gravadas estão Ska (Paralamas do Sucesso), Todos estão surdos (Roberto Carlos), Love me Tender (Elvis Presley) e Ovelha Negra (Rita Lee).


Então quero compartilhar com vocês uma das "músicas de brinquedo" que não me canso de escutar: Live and let die, composta por Paul e Linda McCartney:





A grande sacada desses trabalhos com roupagem infantil é que eles geralmente deixam os artistas mais livres. Por isso, eles ousam mais, brincam mais e até transformam brinquedos em boa música.